QUANTIDADE DE CARGA ENTRANDO NO PAÍS POR PORTOS, AEROPORTOS E FRONTEIRAS SECAS EM 2017
  • Quilos
  • Milhares
  • Milhões
  • Bilhões
 

Movimentação de cargas e navios nos portos brasileiros

Para dimensionar a movimentação de cargas importadas e exportadas através dos portos brasileiros o “Fronteirômetro” se baseou em dados estatísticos e informações disponibilizadas, principalmente, de 2012 a 2016, pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), que é vinculada à Secretaria de Portos da Presidência da República (SEP/PR).

Os principais perfis de cargas importadas e exportadas pelos portos são: Granel Sólido, Granel Líquido e Gasosos, Carga Conteinerizada e Carga Geral.

Os contadores a seguir apresentam as projeções para 2017 dos quantitativos de contêineres e toneladas de carga geral e carga granel (sólido, liquido e gasoso) em tempo real.

Importação Contêineres(Unidades)

    Exportação Contêineres(Unidades)

      Importação Carga Geral(toneladas)

        Exportação Carga Geral(toneladas)

          Importação Carga Granel(toneladas)

            Exportação  Carga   Granel(toneladas)

               

              Fiscalização e controle aduaneiro nos principais portos do País

              A Receita Federal do Brasil (RFB é responsável pelo controle do fluxo do comércio internacional realizado nos terminais portuários em todo o País.

              Cabe à Receita Federal promover o controle e a tributação das operações de comércio exterior, o gerenciamento de risco, a fiscalização, a vigilância e a repressão aduaneira. Uma atuação que tem por objetivo facilitar o fluxo do comércio internacional e buscar garantir a segurança para a sociedade ao combater crimes como o contrabando, o descaminho, o subfaturamento, a importação fraudulenta e outras práticas ilegais.

              As ações criminosas geram desequilíbrio econômico ao favorecer a concorrência desleal, provocando queda na arrecadação de tributos, fechando postos de trabalho e colocando em risco o cidadão que fica exposto a produtos impróprios para o consumo e prejudiciais à saúde humana. É, portanto, responsabilidade da Receita Federal do Brasil controlar a entrada e saída do território nacional de produtos permitidos ou proibidos gerindo as informações prestadas pelo exportador ou importador durante a realização de procedimentos relacionados às operações do comércio exterior.

              Sob o ponto de vista do controle aduaneiro, a atuação da Receita Federal nos portos é imprescindível visto que mais de 90% das exportações e quase 90% das importações são realizadas pelos portos do País. A estrutura da Receita Federal do Brasil nos portos está distribuída em 15 Alfândegas e 11 Inspetorias. As Alfândegas abrangem os sistemas portuários de Belém/PA, Manaus/AM, Fortaleza/CE, Pecém/CE, Salvador/BA, São Luís/MA, Suape – Ipojuca/PE, Vitória/ES, Rio de Janeiro/RJ, Itaguaí/RJ, Santos/SP, Paranaguá/PR, Itajaí/SC, São Francisco do Sul/SC e Rio Grande/RS. Já as Inspetorias atendem as unidades de Barcarena/PA, Santana/AP, Aratu/BA, Ilhéus/BA, Cabedelo/PB, Recife/PE, Areia Branca/RN, Rio de Janeiro/RJ, Florianópolis/SC, Imbituba/SC e São Sebastião/SP.

              Clique nos links abaixo para visualizar os mapas e tabelas dos portos alfandegados de acordo com a RFB:

              Portos (Marítimos, Fluviais e Lacustres)   |   Portos Secos